CriançaSemRisco

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Os tempos de espera da adopção

Existem muitas ideias, e talvez alguns falsos entendidos, associados ao tempo de espera associado a uma adopção. Tempos longos, demorados, por vezes incompreensíveis para quem espera e sonha por ter um filho. Não gostaríamos neste post de aprofundar as causas e os motivos que marcam a tramitação do processo. Gostaríamos sim de chamar a atenção da necessidade imperiosa que os casais adoptantes têm de saber em que fase do processo e em que lugar na lista de espera se encontram. O pais adoptantes, e as suas famílias, têm necessariamente de poder perspectivar o processo e os tempos associados de forma a programarem a sua parentalidade. Parece-me inconcebível que os casais adoptantes não sejam contactados durante anos e depois sejam confrontados, do dia para a noite, com a apresentação de uma criança e a necessidade de ser tomada rapidamente uma decisão. Não devemos esquecer que na parentalidade biológica temos 9 meses para, parafraseando Eduardo Sá, engravidamos psicologicamente. Ser pai ou mãe implica uma processo intenso de preparação e de mobilização de recursos psicológicos de modo a criar-se um enxoval de amor, de afecto e de parentalidade que possa acolher a criança.

Ninguém deveria ter que ser pai da noite para o dia, mesmo quando a parentalidade é um sonho muito desejado. Esperar só é uma tortura quando se espera num total vazio.

PVS